quinta-feira, 31 de maio de 2012

O Guardião da Fogueira

Symphony of fire
Imagem: plus-i-minus


O Guardião da Fogueira
Gilberto Strapazon



Sujeito descuidado, não sabe o que posso fazer com ele.
Custava ter avisado antes?
Chega assim sem mais nem menos e pensa que foi pouco?
Pelo menos sou um sujeito calmo.
Deve ser a vida no campo.
As pessoas não sabem apreciar isto.
Todo dia levanto e faço uma hora de yoga.
Nado um pouco no pequeno riacho aqui atrás da casa.
A água fria harmoniza todos os chacras.
Às vezes tiro uma folga e faço uma caminhada pela mata até a cascata mais acima.
Olho o ciclo da natureza e como as coisas estão relacionadas.
Aproveito para olhar o que sobrou da fogueira da última lua cheia.
Foi um ótimo encontro.
Todos dançaram e fizeram seus pedidos aos deuses da natureza.
As sacerdotisas sempre fazem seus cantos dionisíacos.
Cantamos, dançamos, bebemos.
Depois todos participaram juntos de um grande orgasmo cósmico.
Nada pode atrapalhar estes momentos de gratidão e celebração junto à natureza.
Isto é magia.
Mas quem poderia esperar que logo aquele convidado achasse por conta própria que poderia trazer energias contrárias à ordem natural e perturbar um momento tão sagrado?
Logo no rito de Baco!
Apenas observei enquanto os sacerdotes e as ninfas corriam nus atrás dele, carregando archotes em brasa.
Mas vi quando ele entrou naquele lugar e ficou ali.
Não falei nada nestes dois dias em que ainda procuram por ele.
Sorte dele que sou um cara calmo.
Se eu não fosse um cara pacífico arrancaria ele agora mesmo daquele rolo de arame farpado que caiu dentro da colheitadeira e lhe daria uma boa lição.
Volto para o bosque. As flores estão lindas nesta época.
A lua está propícia e amanhã começa a colheita.



.’.

Gilberto Strapazon
28/05/2012

http://gilbertostrapazon.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário